Estudo sobre o Dia do Trabalho

sexta, 28 de abril de 2017 às 14:24

 

No dia 1º de Maio é comemorado o ‘Dia do Trabalho’, posteriormente acrescentado como ‘Dia do Trabalhador’.

Esse dia teve sua origem em 1886, após uma paralisação de trabalhadores norte-americanos em prol de melhores condições de trabalho (entre elas, jornada de trabalho de 13 para 8 horas). O movimento se espalhou pelo mundo e, em 1887, diversos países europeus aderiram ao protesto. No ano seguinte, os franceses decidiram considerar essa data homenagearia os trabalhadores pioneiros desse movimento.

No Brasil, a data se efetivou em 1917, sob a influência de imigrantes europeus, mas só em 1924 o presidente Artur Bernardes decreta oficialmente o dia como feriado.

Não por acaso, a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) foi anunciada nesse mesmo dia em 1943, por Getúlio Vargas.

Atualmente, esse universo trabalhista está em pauta e gerando muita polêmica acerca da Contribuição à Previdência Social e dos direitos assegurados. Para você que não gosta de se envolver em Política, mova-se para se informar, pois o seu dia-a-dia será afetado pelas decisões que você não deseja participar.

Mas como sempre promovemos estudos à luz da Palavra de Deus, queremos trazer uma visão espiritual sobre o tema TRABALHO.

Desde o princípio, Deus instituiu ao homem responsabilidades como nomear os seres, cultivar e cuidar do jardim. Após o pecar entrar, o trabalho se tornou mais árduo e difícil, mas antes mesmo disso era preciso exercer as atividades de sua responsabilidade.

Mas vamos mais profundamente, agora: quais suas motivações para o trabalho? Na Palavra, o trabalho:

  • É ordem de Deus:
     

Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também. Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes fazendo coisas vãs. A esses tais, porém, mandamos, e exortamos por nosso Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando com sossego, comam o seu próprio pão.
2 Tessalonicenses 3:10-12

 

  • Serve para sustento de si e dos seus dependentes:
     

Exortamo-vos, porém, a que ainda nisto aumenteis cada vez mais. E procureis viver quietos, e tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo temos mandado; Para que andeis honestamente para com os que estão de fora, e não necessiteis de coisa alguma.
1 Tessalonicenses 4:10-12

 

  • Serve para proporcionar ajuda às outras pessoas:
     

Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.
Efésios 4:28

 

E quanto à sua conduta em seus negócios, em seu trabalho remunerado ou na obra de Deus, ou em qualquer atividade que desempenha? Para começar essa reflexão, podemos citar Colossenses 3:
 

Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo só na aparência, como para agradar aos homens, mas em simplicidade de coração, temendo a Deus. E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas.
Colossenses 3:22-25

 

Sermos pessoas responsáveis, dedicadas, excelentes e com simplicidade de coração é o que Deus espera de nós! Pois, em tudo, estamos servindo a Cristo e levando o Seu nome diante das ‘testemunhas’ que nos observam. Muitas pessoas são negligentes em seu local de trabalho, não exercendo seu papel com excelência, versatilidade e satisfação. Como desejam colher algo bom a partir de um trabalho feito relaxadamente, sem qualidade e infrutífero? Assim como o último versículo acima, Deus dará colheita justa a todos!

No livro de Provérbios, vemos várias indicações sobre o preguiçoso. Este, desonra a Deus com suas atitudes.

O preguiçoso sempre procura descanso e folga (Pv. 6:10), até para se alimentar é motivo (Pv 26:13-16); quer tudo, menos trabalhar (Pv. 21:25); inventa desculpas para evitar o trabalho (Pv. 22:13) e assim vai... Até a formiga lhe tem o que ensinar!
 

Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio. Pois ela, não tendo chefe, nem guarda, nem dominador, Prepara no verão o seu pão; na sega ajunta o seu mantimento. Ó preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono?
Provérbios 6:6-9

 

Mas o outro extremo também é perigoso: o excesso de trabalho e o cuidado com o seu sustento e conforto não podem culminar em ganância, vaidade ou cobiça, e muito menos se corromper a usar de métodos e estratégias desonestas para alimentar essa “necessidade” pelo dinheiro.

Resumidamente, o trabalho dignifica o homem. Mas o seu excesso e o meu comportamento nessa área serão brechas aproveitadas por Satanás para a sua própria destruição.

 

Camila Bianchi

Por: Admin