Que Dor sem igual - parte 3

quinta, 13 de abril de 2017 às 14:45

5. AS HORAS NA CRUZ 

“Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara uma esponja embebida em bebida ácida em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz.

Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuado: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis; em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço e os respiratórios.

A respiração se faz, pouco a pouco, mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico. Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita.

Mas o que acontece? Lentamente, com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial. Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem". Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo e a asfixia recomeça.

Foram transmitidas sete frases pronunciadas por Ele na cruz: cada vez que quer falar, devera elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Que tortura!

Atraídas pelo sangue que escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas Ele não pode enxotá-las. Pouco depois, o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde. Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: "Deus meu, Deus meu, porque me abandonastes?". Jesus dá seu último suspiro: "Está tudo consumado!", e em seguida, "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito". E morre. Em meu lugar e no seu.”

Jesus não cedeu à sua vontade humana, não pediu intervenção de Deus para amenizar as suas dores, não escolheu ‘pular essa parte’ do plano de Deus. Ele caminhou por essa terra sem pecados, permaneceu ensinando a todos até mesmo em seus últimos momentos de vida em carne e não hesitou em olhar com misericórdia a todos nós!

Sabemos que cada gota de sangue derramada por nós é uma imensidão de amor demonstrada, além de palavras, mas de atitudes concretas e que supera o nosso entendimento.

TODO JUGO, TODO PESO, TODA CONDENAÇÃO, TODA MALDIÇÃO É LANÇADA FORA!
A PARTIR DO SEU SANGUECARMESIM DERRAMADO, SOMOS LIMPOS, LAVADOS, CURADOS... TEMOS VIDA!

O nosso Senhor Jesus ressurreto comprova que até a morte Ele venceu! Jesus é vencedor sobre todas as coisas! JESUS É A EXPRESSÃO DO MILAGRE, POIS ELE RESSURGIU E VIVE PARA SEMPRE.

CELEBRE A VIDA QUE HÁ EM JESUS CRISTO, O NOSSO ÚNICO, SUFICIENTE, EXCLUSIVO E ETERNO SENHOR E SALVADOR!

 

Camila Bianchi

Por: Admin